sexta-feira, 8 de maio de 2009

Bendita louvada seja Dona Maria do Horto

Há algum tempo não posto nada por aqui. Mas, estive revendo as imagens que trouxe do IV Encontro dos Mestres do Mundo – em Dezembro passado, no sertão do Cariri – e reencontrei com o bendito de Dona Maria do Horto. Um canto sublime que, por obrigação, tenho de compartilhar com vocês.
Lembrei-me do nosso encontro no Crato Tênis Clube. Ouvi uma voz, numa das rodas de debate que estava acontecendo por lá e me aproximei. Com suas vestes e penteados simples e belos, Maria do Horto falava da vida, do fato de ser “moça velha” – mulher de idade relativamente avançada que não se casou – e das razões do seu cantar.
Em seguida, pediu licença à roda, e entoou um bendito homenageando Frei Damião, franciscano italiano que se tornou santo popular no Nordeste. Para os olhos, uma bela manifestação de fé. Para os ouvidos, um fino deleite. Não tem como conter adjetivos para descrevê-la. Imaginei Glauber Rocha gravando a voz de Dona Maria – talvez cantando outro bendito – para integrar a trilha sonora de O Dragão da maldade contra o santo guerreiro.
Passaram-se uma ou duas horas do primeiro contato, encontrei-a, novamente, andando pelo clube. Não hesitei em convidá-la:
- A Senhora pode cantar outro bendito? Eu filmei o de Frei Damião e quero filmar outros.
- Calma aí. Eu vou ali e volto para cantar pru’cê o bendito do meu Padim [Ciço]. – respondeu-me com pressa, demonstrando que tinha algo urgente para resolver.
A volta não aconteceu. Cheguei a vê-la em outros momentos, mas não tive oportunidade de lançar outro convite.
Exatos cinco meses se passaram depois da viagem. Imagino eu que Maria esteja agora na Colina do Horto – comunidade onde mora – na vizinhança do mais notável cartão postal de Juazeiro do Norte: a estátua de 17 metros do Padre Cícero Romão Batista. Vez por outra, ela deve cantar o “bendito do padim” aos pés do monumento, alimentando a alma das toneladas de concreto.
Assunte como é que Maria do Horto canta o bendito de Frei Damião e Frei Fernando.

3 comentários:

Henrique Oliveira disse...

Grande Glauber! Ótima idéia cara. Gostei bastante do seu blog e, por isso, estarei sempre dando uma olhada nos seus textos.
Que voce continue nesse afã de mostrar o não mostrado e de dar espaço a quem faz esse Brasil diverso e bonito: o povo nas suas raízes... Parabéns!

Gisele disse...

Vi o endereço no msn e dei uma olhada. Não pude ler tudo, mas achei a sua cara o blog! No meio blogueiro alguém tinha que olhar para a cultura popular.
Aproveito para sugerir uma visita a Bom Jesus da Lapa no período de romaria. Registrar as figuras que vêem agradecer ao Bom Jesus.
Parabéns pela iniciativa!

George Pellegrini disse...

Querido Glauber, fiquei arrepiado ao escutar esta mulher. Quanta beleza contida, quanta intensidade, quanta simplicidade, quanta brasilidade... Parabéns pela percepção do belo tão sutil, e obrigado pelo presente.
um abraço
George Pellegrini